Corte limpo: quatro dicas da Bizerba sobre operação higiênica de fatiadores

Balingen, 2 de mar de 2015 | As causas da falta de higiene, leva à deterioração prematura dos alimentos são numerosas e diversificadas. Além do armazenamento e transporte inadequado, a falta de higiene no processamento é muitas vezes a causa de todos os tipos de contaminação.

Portanto restaurantes e empresas de abastecimento de alimentos juntamente com padarias e empresas de processamento de carne que querem minimizar o risco de contaminação devem prestar atenção a certos pontos ao selecionar seu equipamento:

1) Sempre lançar um olhar crítico sobre a construção do equipamento:

Os fatiadores devem ser sempre fáceis de serem limpos e os resíduos do produto devem ser completamente removidos regularmente e frequentemente quanto possível. Nos momentos de maior movimento em que os clientes fazem fila para ser atendido, isso é mais fácil falar do que fazer. Para atingir resultados com excelência em limpeza, com o mínimo esforço possível, o corpo do fatiador deve ser uma única peça e a aresta frontal ligeiramente levantada. Desta forma, líquidos não escorrem balcão ou no chão, mas escorrem ao longo do canal de drenagem da placa de corte para o ponto mais baixo ao centro do equipamento, onde podem ser convenientemente removidos. Isto impede que a máquina fique suja e reduz ao mínimo o risco de contaminação.

 

2) Preste atenção a textura da superfície:

Fatiadores de frios geralmente têm superfícies de aço inoxidável ou alumínio "eloxal". Um material de acabamento como o Ceraclean, no entanto, oferece melhores propriedades antiaderentes e de deslizamento do produto. Escorrimento de líquidos e resíduos gordurosos ou muito pegajosos podem ser removidos de uma forma mais rápida e eficiente. O aparecimento de bolor é eficazmente impedido e assegurado de forma consistente à higiene impecável do fatiador. O Ceraclean é notável também por sua maior resistência aos produtos químicos. Os componentes removíveis podem ser lavados em uma máquina de lavar louças e o tempo total de limpeza é reduzido em cinquenta por cento.

 

3) Fique de olho na temperatura:

Com produtos que são difíceis de serem fatiados, os fatiadores podem usar uma grande quantidade de energia e rapidamente aquecer. Ao mesmo tempo, o alimento na superfície de corte também aquece, o que pode levar a uma deterioração mais rápida do mesmo. Por isso os equipamentos devem ter um controle de motor inteligente que ajustam o consumo de energia automaticamente ao produto será fatiado. Desta forma, o equipamento usa menos eletricidade e com isso, os frios e os produtos mantem-se frescos por mais tempo. Ao mesmo tempo é possível instalar uma placa de base fechada sem orifícios de ventilação, o que reduz significativamente o risco de uma acumulação de germes bacterianos.

 

4) Limpeza com mínima manipulação do equipamento:

Todos os componentes do fatiador devem ser fáceis de serem alcançados, para desmontagem e limpeza. A distância entre a torre do motor e a lâmina deve ser grande o suficiente para que a máquina e a lâmina possam ser limpas de todos os lados. Deverá ser possível abrir o carro do produto de forma simples, rápida e eficiente para limpeza. Componentes como coberturas e suportes de resíduo de produto devem ser facilmente removidos por meio de um mecanismo de encaixe. O usuário não deve desapertar parafusos; Os componentes devem preferencialmente ser retirados de forma simples, como por encaixe, por exemplo, para depois poderem ser lavados à mão ou na máquina de lavar louças.